Existem alguns comportamentos que podem ser resultantes de falta de confiança em si mesmo e nas suas capacidades. No entanto, também existem práticas que podem ajudar a melhorar a sua autoconfiança e, consequentemente, a deixar de duvidar de si próprio.

Existem alguns comportamentos que podem ser resultantes de falta de confiança em si mesmo e nas suas capacidades, tais como a necessidade de justificar constantemente as suas decisõester receio de ir em contra as opiniões dos outros, ou expressar opiniões diferentes pelo que os outros possam achar e, por isso, estar na defensiva. 

Um investigador da Universidade de Stanford formulou uma teoria, chamada “Teoria da Aprendizagem Social”, na qual averiguou que a autoconfiança é a soma de dois fatores: a Autoeficácia e a Autoestima.

A Autoeficácia corresponde à medida em que nos vemos capazes de realizar tarefas ou de enfrentar situações novas e ser bem-sucedidos. A Autoestima é a avaliação que fazemos do nosso valor próprio e do quão merecedores somos de receber coisas boas.

Assim, para que não duvide das suas capacidades, é importante desenvolver atitudes conscientes de Autoeficácia Autoestima que podem ser treinadas, por exemplo ao:

Aprender com os erros

Ouve-se muitas vezes a expressão “Errar é humano” e por essa razão talvez não se leve muito a sério, mas é de extrema importância perceber que o ser humano não é perfeito e que irá sempre cometer erros. No entanto, é ainda mais importante aprender com esses erros e melhorar com a experiência, o humano apenas consegue crescer através das oportunidades que encontra ao logo da vida.

Confiar mais nos outros

Por vezes, o obstáculo entre confiarmos mais nas nossas capacidades está no facto de não conseguirmos confiar nos outros. Confiar pode levar a sentimentos de dor e traição, mas quando bem executado os benefícios da confiança são uma maior proximidade com as pessoas, o que leva a uma maior autoconfiança.

Apostar mais em si

Um estudo sugere que adotar as chamas “posturas de poder”, durante dois ou três minutos em privado, antes de uma situação que lhe cause stress ou ansiedade, pode melhorar a sua autoconfiança autoestima, uma vez que este tipo de postura aumenta os níveis de testosterona e diminui os níveis de cortisol, a hormona do stress.

De acordo com a neurociência cognitiva, outra forma de ajudar a ter mais autoconfiança é ao nos sintonizarmos com o emocional – as nossas sensações, pensamentos e fisiologia. Esta prática é importante no desenvolvimento de capacidades de autoconsciência autocontrolo.

Estas duas capacidades devem ser desenvolvidas para que a nossa mente não se fixe nas situações negativas e sejamos capazes de assumir o controlo, para que seja possível dar mais importância ao lado positivo de cada situação.

Voltar ao topo